TRAMANDAÍ

História do Surgimento da Comunidade e da OASE de Tramandaí

Como todas as Comunidades, a Comunidade e a OASE de Tramandaí, tem sua própria história. Por volta do ano de 1948, algumas mulheres começaram a se reunir nas casas, ora de uma, ora de outra. 



Inicialmente foi por amizade, rodinha de chimarrão ou "cházinhos". Cada uma levava seu trabalho manual e a conversa era sempre animada. Eram elas: Alzira Deecken, Otília Kampff, Dalila Berwanger, Irene Trenz, Alice Fett, Cervalina Koff, Alma Hatzenberger, Valeska Knobloch e Lydia Muller. 
Logo, estas senhoras tiveram uma idéia comum: promover "chás" ou  "almoços", para angariar fundos, para a formação de uma Comunidade. Nestes eventos também vendiam seus trabalhos manuais, no início, totalmente doados. Depois, mais tarde, usavam algum dinheiro arrecadado e compravam muito material, entre panos e linhas e confeccionavam lindos panos de prato. A aceitação destes panos de prato era tanta, que não davam conta de fabricá-los até o próximo evento. Também começaram a fazer aventais e colchas de retalhos e de crochê. Estes chás e almoços eram feitos nos hotéis, que geralmente tinham um grande salão apropriado para isso e também tinham a louça e utensílios necessários. Com o dinheiro arrecadado também passaram a comprar aos poucos a sua própria louça e utensílios. 

O grupo de senhoras ia aumentando e o espaço era pequeno na casa delas. Então passaram a fazer as reuniões numa casa desocupada, cedida por um amigo. Nesta época, já se consideravam senhoras de OASE, embora ainda não tinham oficializado o nome e o grupo, o que só ocorreu muitos anos mais tarde. A partir da OASE, as mulheres despontaram para a liderança e contribuíram decisivamente para o início da Comunidade em Tramandaí.

Estas senhoras e seus esposos começaram a convidar pastores de Itati para vir pregar a palavra de Deus em Tramandaí.

Em 1950, na residência da família de Arnaldo Deecken foi realizado o primeiro culto luterano da praia de Tramandaí pelo pastor Augusto Ernesto Kunert. Um ano depois deste primeiro culto, no dia 30 de julho de 1951 um grupo de moradores, reuniu-se na casa do sr. Arnaldo Deecken para fundar a Comunidade Evangélica de Tramandaí. A reunião foi dirigida pelo pastor  Augusto Ernesto Kunert, e contou com a presença de Arnildo Bertholdo Müller, Armindo Alfredo Bervanger, Fredolino Oscar Sperb, Rudolfo Jacob Schmidt, Otto Alfredo Müller, Arthur Joaquim Wolf, Arnaldo Deecken, Guilherme Leopoldo Sperb, João Henrique Strasburger, Albino Arlindo Bervanger, Guilherme Carlos Fett, Alvino Back, José João Maier, Ardilo Ribem Jacobus, Arthur Walter Kampff, Ernesto Edmundo Jacobus, Edvino Trenz, Arthur Freund, Arlindo Knobloch, Lodino Arlindo Kampff, Bertolino Hoffmeister. 
Desde o início sempre houve participação e colaboração de veranistas. Pastor Kunert conta que a viagem de Itati para Tramandaí era difícil e demorada. Os pastores viajavam de ônibus, carona e muitas vezes serviam-se de animal de montaria. Na falta de um pastor residente, diversos pastores, estudantes de teologia e leigos assumiram o trabalho pastoral. 
As senhoras sempre faziam suas reuniões e ajudavam intensamente nos trabalhos e atividades que eram realizados. Mais tarde fundaram oficialmente o grupo de OASE. A colaboração das senhoras muito contribuiu para o crescimento da comunidade.

No dia 15 de novembro de 1952 foi realizado, com grande festa, o lançamento da pedra fundamental para a construção da IGREJA EVANGÉLICA DE TRAMANDAÍ.  A construção foi erguida com a ajuda dos veranistas. A inauguração aconteceu em 07 de fevereiro de 1960.

Em 25/10/1982 foi criado oficialmente o grupo de OASE e sua primeira presidente foi a senhora Valeska Knobloch. Passaram a ter muitas atividades próprias, como grupo de oração, ação social, visitação à idosos e doentes. 
O maior marco deste início da OASE de Tramandaí, foi a criação da Escola “Tia Alzira”, o atual “Centro Sinodal”, do qual muito se orgulham até hoje. 
Com todo o esforço e o dinheiro que arrecadaram, mais tarde construíram o próprio salão de festas, que ainda hoje é o mesmo que serve às atividades da OASE e da Comunidade. 


Maioria dos dados extraídos do folheto

http://pt.scribd.com/doc/136553975/Somente-quem-evangeliza-se-dispoe-a-edificar-Comunidade-03
autor : Pastor Elio Eugênio Müller